Sites Grátis no Comunidades.net Hospedagem de Sites com cPanel, PHP, MySQL, Emails e SSL Grátis

PESQUISA ESCOLAR - PROF. LILIAN


EMAIL:
Total de visitas: 44312
TABAGISMO






FONTE: http://www.cigarro.med.br/index.htm
J. Alexandre Sandes Milagres, médico

Fala sério, já não chega de tanta violência? Tem a que se dá entre as nações, a que se diz religiosa, a que diz que é para zelar pela paz, a do campo, a urbana, a dos estádios de futebol, a dos shows, a do trânsito, a doméstica e a dos fenômenos naturais. Ainda vais permitir a violência da fumaça?

25,106,303 mortes por tabaco, desde janeiro de 2000 !?!

Caraca!?! Fonte: Banco Mundial

O fumo de tabaco é a maior arma química de destruição em massa que existe _ estimativa de 10 milhões de mortes por ano, no mundo, a partir de 2020.



_________________________________________________

"Ninguém educa ninguém, ninguém se educa sozinho, os homens se educam em comunhão"

Paulo Freire.

"Que fazer por meus irmãos, se nem ao menos me querem ouvir?

Dá água de vida aos que têm sede de espírito"

Trigueirinho (extraído de "Não estamos sós")






A Organização Mundial da Saúde teme pela morte de 750 milhões de adolescentes...

A entrada de novos consumidores justifica as tão belas campanhas publicitárias (felizmente proibidas no Brasil, de forma pioneira, no início do século XXI) e o tão imenso silêncio das consciências, mesmo o da maioria das autoridades governamentais responsáveis pela saúde da população brasileira e de outros países. A maior parte da arrecadação com tabaco é destinada aos governos, sob a forma de impostos. Se um país já recebe a graça de ter um ministro da saúde dedicado ao combate ao fumo, este terá que, forçosamente, enfrentar seus pares com pasta, os ministros da economia, planejamento, agricultura, indústria e comércio que, em geral, são forças que agem pró-indústria do tabaco. A maior chance de ver-se um país esboçar uma vitória sobre esta grave doença, é quando o líder maior da nação, o presidente ou primeiro ministro, assume pessoalmente o embate, tornando-o uma política de governo e não uma ação de um ministro. Assim acontece quando um grave acontecimento ameaça o país. E, o TABAGISMO é uma baita de uma ameaça.

Por acabar acreditando que só a conscientização de vocês, e das gerações que lhes seguirão os passos, poderá dar um fim a esta situação, resolvi por mãos à obra, na tentativa de, realizando este trabalho, contribuir para um maior entendimento do problema. Mesmo sabendo que é mais fácil estimular o consumo de alguma coisa, do que sugerir uma pausa para questionar o que está sendo desejado ou imposto.

Temos que oferecer informação a vocês, em grande quantidade, sob os diferentes aspectos da questão, para facilitar a sua compreensão, pois, como disse uma vez o gênio Einstein: " O homem está sempre disposto a negar tudo aquilo que não compreende ". Muito antes dele, Santo Agostinho, nascido há 1650 anos, já dissera " Crê para entender, mas estuda para poder acreditar ".

O TABAGISMO é considerado o maior problema de saúde pública do mundo moderno. Foi eleito pela Organização Mundial da Saúde (OMS), como sua prioridade para o século XXI. Este nosso trabalho vai tentar ajudar vocês a acreditarem nisto.

revista fenae agora, sobre pesquisa de Janice Teodoro e Fortunato Pastore, junho, 2002





Todos os conflitos ocorridos na América Latina, ao longo de 133 anos somados, foram responsáveis por 81.000 mortes. Morrem 200.000 brasileiros, por ano, por causa do tabaco.

Vale lembrar que os fumantes que entrem agora no tabagismo são diferentes dos fumantes do início do século XX. As informações sobre os malefícios do fumo quase que inexistiam há cem anos. No entanto, atualmente, observamos verdadeiras legiões de adolescentes aderindo à escravidão ao tabaco, como se cegos e surdos aos sinais de alerta. Pode ser que nosso trabalho seja apenas mais um destes sinais a serem ignorados, porém, esforço-me para não acreditar nesta possibilidade. Como li, em algum lugar: " Para fazer uma pradaria, é preciso um trevo, uma abelha e fantasia, mas a fantasia basta, se a abelha se afasta ".

A OMS afirma que o tabagismo matou 100 milhões de pessoas no século XX. O que é ainda mais assustador, é a estimativa de que, se não fizermos nada para impedir, no século XXI esse número chegará a 1 bilhão de pessoas...





Para não seguir um caminho, clara e extremamente equivocado, que mata um em cada dois usuários, talvez seja necessário, além da boa informação, uma imensa dose de auto-estima e uma descomunal capacidade de sonhar. O trio conhecer-se+querer-se bem+sonhar pode ser uma poderosa arma para que vocês se defendam das armadilhas que estão à espreita, criadas pela ganância e por uma cruel falta de percepção da beleza, do valor e do significado da vida.

Gostaria que esse trabalho servisse como uma semente a germinar em vocês. Quem sabe, isso não ocorrerá, não é ? Eu também tenho cá os meus sonhozinhos... Quem sabe, vocês um dia não dirão, pura e simplesmente:"eu não fumo"? Sem ter havido necessidade de leis, punição ou repressão, apenas compreensão, valorização de si mesmos e discernimento do que era melhor a ser feito.

Para conseguir que o livro correspondesse às necessidades de vocês, solicitei, em 1994, aos adolescentes de dois colégios do Rio de Janeiro, Andrews e Silveira Sampaio, de bairros e realidades diferentes, que escrevessem as suas dúvidas sobre esse assunto. Portanto, o que aqui foi escrito, veio como resposta aos questionamentos de pessoas muito parecidas com vocês, o que talvez possa tê-lo tornado, quem sabe, mais interessante de ser digerido.





Quando consigo fazer um jovem não entrar na furada do tabaco ou um fumante abandonar o destruidor, me sinto tão realizado e feliz quando deva sentir-se um cirurgião cardíaco, após realizar, com sucesso, uma operação de "ponte de safena" em um fumante infartado ou um homeopata ao encontrar o medicamento semelhante de alguém.

Nosso trabalho é uma doação de material intelectual e de outros níveis, para que vocês possam utilizar seus corpos mentais (ou caixolas, guengos, massa cinzenta, cabeça-irmão) em benefício da vida e do todo.

Contam que, em algum momento da história, Platão perguntou à Sócrates:

" Mestre, afinal, estudamos tanto para quê? ".

Ao quê, o sábio respondeu:

"Para controlar os instintos animalescos do homem".

_________________________________________________

UM POUCO DE HISTÓRIA...

br>


1492

Como vocês estão cansados de saber, com a História fresquinha na cabeça, foi em 1492 que o pessoal comandado por Cristóvão Colombo deu em terras americanas.

Colombo, que era avançadíssimo para o seu tempo, tinha sérias suspeitas de que a Terra fosse redonda e buscava um outro caminho que levasse às Índias. Acabou por descobrir um continente. Apesar de ser italiano, genovês, sua empreitada foi bancada pela coroa espanhola, após o seu projeto de viagem ter sido rejeitado pelos portugueses. Morreu na Espanha, em Valladolid, em 1506, aos 55 anos.

Na verdade, o chamado "descobrimento" é um lance meio esquisito de se compreender, uma vez que por aquelas terras já havia um bom número de seres humanos que, pela versão oficial, estavam carentes de orientação, prontos a serem catequizados e submetidos à nova ordem mundial. O mesmo, aliás, ocorreu no Brasil, onde à época do nosso "descobrimento", havia 5 milhôes de índios. Hoje, cinco séculos depois, são pouco mais de 700 mil. Portanto, ao analisar esses números, vemos que o "descobrimento", foi o de como dizimá-los.

Estes, assim chamados, nativos, repletos de hábitos peculiares, aos olhos dos civilizados europeus, tinham um que chamou particularmente a atenção: punham-se em círculos, em momentos de ritual de grupo, com muita cantoria e muita dança, e aspiravam a fumaça de umas folhas que queimavam.

Só este ritual bastaria para ser incorporado ao jeito europeu de ser, mas, além disto, diziam que a fumaça do tabaco tinha propriedades medicinais. Portanto, além ser alegoria e adereço do barato grupal, ela supostamente curava doenças.

Ilustração de Rhobson Bola


Quando a excursão se encerrou, na bagagem de volta, entre outras espécies de plantas do "novo" continente, mudas daquelas folhas foram parar em solo europeu.

Séculos se passaram, e é como se os índios, após tanto desrespeito, quando suas crenças foram menosprezadas, quando as suas famílias foram dizimadas, quando não tiveram a posse da terra reconhecida, tendo de se contentar com reservas, tivessem exportado uma bomba de efeito retardado, sob a forma de uma planta, que hoje é responsável pela morte de 5 milhões de pessoas no mundo por ano _ a Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que serão dez milhões de mortes por ano, a partir do ano 2020.




Um pulmão normal, ladeado por um pulmão de fumante com câncer.

************************************************

DO CABELINHO NAS VENTAS À OXI-HEMOGLOBINA

No campo da respiração, este aspecto da perfeição da natureza, obviamente se faz presente. Tanto no aspecto do seu funcionamento propriamente dito, quanto na diversidade dos mecanismos de defesa existentes.


Se não vejamos : quando inspiramos, o ar passa pelo nariz, aonde é aquecido, para que chegue aos pulmões numa temperatura conveniente. A parede interna (mucosa) do nariz é revestida por cílios microscópicos e por cabelinhos visíveis a olho nu. Ambos, cílios e cabelinhos, têm a função de proteção, uma vez que determinadas partículas (poeira, bactérias, fungos, etc.) ficariam retidas nesta espécie de filtro, reduzindo a contaminação do pulmão, um dos cinco órgãos nobres do corpo humano (os outros órgão nobres são: coração, cérebro, fígado e rim).




TRAQUÉIA

A traquéia, com a divisão dos brônquios ao fundo, levando o ar para os pulmões direito e esquerdo. Este ducto foi planejado para levar a vida para o interior do ser humano, e não a fumaça originada pela queima de tabaco.

Já dentro da chamada árvore traqueo-brônquica, o ar também irá passar por vários processos purificadores. Existem cílios, glândulas, mecanismos imunológicos, reflexos nervosos, entre outras formas de proteção. O esquema é mais ou menos o seguinte: os brônquios, por onde o ar passa para chegar ou sair do alvéolo, são como canos, pequenos canos.






Toda a parte de dentro destes "canos" é revestida por células, que têm estruturas denominadas cílios (como os cílios do pálpebra, só que microscópicos). Eles ficam em permanente funcionamento, como se fossem vassourinhas, sempre varrendo para cima (imaginando-se a pessoa em pé). Existem milhares de células e cada uma tem 300 cílios, que movimentam-se mil vezes por minuto e, tem uma função parecida com a dos pelos do nariz.




Cílios na traquéia e nos brônquios

Logo abaixo dos cílios, há uns pequeninos buracos que são bocas de glândulas. Estas glândulas produzem secreção, popularmente chamada de catarro. Nesta secreção se encontram presentes as imunoglobulinas, entre outras substâncias.

Resumindo, aspiramos ar, que vem contaminado sempre, com as bactérias, vírus e fungos que estão na atmosfera. Primeiramente ele é aquecido e passa por uma filtragem no nariz, aonde um simples espirro já pode resolver o problema. Seguindo brônquios adentro, pro exemplo, uma bactéria para num dos campos de cílios > imediatamente a secreção é produzida de forma a envolvê-la > imunoglobulinas, presentes nesta secreção, contribuem para inativá-la > os cílios, em eterno movimento para o alto, tratam de devolvê-la para fora, misturada ao catarro > num determinado momento, o reflexo da tosse se incumbe de completar a missão. Faça sol ou chuva, de dia ou de noite, quer se esteja cansado ou não, este processo ininterrupto se dá, sempre com o objetivo de proteção de nosso organismo.

Após esta vigilância, o ar chega a umas pequenas bolas, como uvas microscópicas, chamadas alvéolos. Há 300 milhões destes alvéolos no interior dos pulmões, criando uma superfície de troca gasosa de, aproximadamente, 100 metros quadrados, em média (maior do que muito apartamento bom).





A superfície de troca gasosa do pulmão equivale a uma quadra de tênis, é um espaço imenso, para sugar toda a poluição oferecida pelo fumante.

Em volta de cada um destes milhões de alvéolos, passam umas microveias e artérias com sangue "sujo", i.e., aquele sangue que correu o corpo todo e chega para jogar fora o gás carbônico e receber o oxigênio que acabamos de inspirar. Aí, neste momento, o oxigênio pula do alvéolo para o sangue e, o alvéolo recebe o gás carbônico que na expiração sairá pela boca a fora.

A rede de artérias, veias e capilares de nossos corpos mede 96 mil quilômetros, levando sangue com nutrientes e, infelizmente. substâncias tóxicas, para todos os tecidos, bombeados pelo coração 120 mil vezes por dia.




A alegria e a vibração jovem, o contrário explícito da utilização de qualquer droga. Capacidade aeróbica plena, oxihemoglobina pura.




Glóbulos vermelhos (hemácias) do sangue

Uma vez entrando naquelas microartérias, o oxigênio se gruda a uma proteína, chamada hemoglobina dentro das glóbulos vermelhos do sangue, como se tivesse achado sua poltrona em um avião, atasse o cinto de segurança e, só fosse saltar de lá quando encontrasse o seu destino, nos tecidos.

Nesta fase se torna a Oxi-hemoglobina. Cada átomo de ferro (que é parte da hemoglobina) liga-se a uma molécula de oxigênio. É deste jeito que o oxigênio vai circular pelo corpo, saltando do avião aos poucos, naqueles lugares aonde está sendo necessário oxigênio livre.







"A respiração está diretamente ligada ao rendimento físico. Ela é a principal expressão da vida. Onde houver comprometimento respiratório, haverá comprometimento da vida."
André Hancock, Professor de Educação Física da Academia Mamute - AABB, RJ.

_________________________________________________

DA CARBOXI-HEMOGLOBINA À DEVASTAÇÃO DAS FLORESTAS DE CÍLIOS




Campanha do Ministério da Saúde - Instituto Nacional do Câncer

Quando trabalhamos com vocês, adolescentes, sobre os riscos do fumo, ouço algumas frases com frequência: "o pulmão é meu, ninguém tem nada com isto" ou "quem sabe o que é melhor para mim, sou eu mesmo".

Gostaria que vocês permitissem-se rever algumas coisas com os olhos da alma, a eterna inquisidora, e não apenas com os olhos daqueles que acham que sabem de tudo.


É fundamental, para interromper o ciclo do surgimento de novos fumantes que desenvolverão doenças tabaco-relacionadas e morrerão por causa delas, tomar contato com algumas destas doenças e imaginar o que sentem aqueles que insistiram em acreditar que, com eles, nada aconteceria...

As foto a seguir foram gentilmente cedidas pelo Dr. Jacob Kligerman, Diretor do Instituto Nacional do Câncer

Câncer de lábio





Câncer de língua





Para entender parte dos males causados pela fumaça de cigarro, vamos fazer a viagem no sentido inverso daquela que fizemos no capítulo anterior.

Primeiro, vale assinalar, como uma curiosidade a mais, que as substâncias presentes na fumaça do cigarro, ao serem tragadas, levam menos de dez segundos para alcançar o cérebro.

Tínhamos visto que as moléculas de oxigênio que estão nos alvéolos pulam para o sangue e se aderem à hemoglobina, dando origem à oxi-hemoglobina. Acontece, que na fumaça existe um composto chamado monóxido de carbono (CO).




Homem-monóxido de carbono

O monóxido de carbono também é chegado a uma hemoglobinazinha e, o que é pior, é mais guloso e mais rápido do que o oxigênio. A hemoglobina tem 200 vezes mais afinidade pelo CO do que pelo oxigênio. Resultado: no sangue do fumante existe uma quantidade importante de carboxi-hemoglobina. É claro que vocês podem se perguntar : "raios partam,e o quê que isto tem a ver ?". Quando vocês estão tentando dar aquela pedalada na bicicleta e, o fôlego está de menos, a musculatura das pernas fica sem alimento (oxigênio). O que acontece ? O coração bate mais rápido para jogar mais sangue para as pernas. Se o sangue que chega lá, ao invés de oxigênio tem monóxido de carbono, não vai adiantar nada. Desça da bicicleta e termine o percurso andando. Este exemplo também serve para nadadores, corredores, peladeiros, jogadores de queimado, etc., etc. Entre 5 a 10 % do sangue do fumante tem carboxi-hemoglobina. Hoje em dia, os anestesistas e cirugiões mais cuidadosos estão solicitando, aos pacientes fumantes, um jejum de tabaco de 48 horas a 8 semanas antes da cirurgia. A cicatrização dos tecidos operados é prejudicada pelas substâncias tóxicas da fumaça.





O monitor de monóxido de carbono (CO), serve para ajudar o paciente a abandonar o fumo, pois, a constatação de estar intoxicado parece contribuir para a decisão de não mais envenenar-se.

Isto posto, vamos em frente, ou melhor para trás: - As glândulas, produtoras da secreção que ajuda a envolver e inativar os agentes agressores, passam a fabricar catarro em quantidade acima do necessário, como resposta à irritação provocada pela fumaça do cigarro (reparem como um fumante tem sempre uma tossezinha). As glândulas ficam gordinhas, trabalham muito. Alem dessa alteração, a própria secreção fica diferente, mais grossa, mais viscosa (grudenta). O que acontece então é que o catarro se acumula com mais facilidade nos brônquios, propiciando a cultura, o crescimento de bactérias, ao invés de ajudar a eliminá-las. Pela maior viscosidade, a secreção acaba tendendo a aderir aos cílios, o que prejudica o trabalho deles; é como se vocês tentassem varrer um litro de brigadeiro quente que acabou de virar na cozinha, fica tudo grudado na piaçava.

Para completar, um dos maiores danos se passa com os cílios, de várias formas. Primeiro eles vão sendo diminuídos em altura, por causa da passagem da fumaça. Esta redução chega a ponto de tozá-los, como se alguém tivesse passado máquina zero. Temos fotos de pedacinhos de brônquios, feitas à microscopia eletrônica, aonde vê-se uma clareira, i.e., cílios, cílios, cílios e um buraco no meio. Outra mudança importante dos cílios pela fumaça é a desorganização do movimento. Naturalmente, como vimos, os cílios se movimentam sempre na direção da boca, para levar a secreção para cima, para ser cuspida. Com a intoxicação do cigarro acontece : movimento para trás, movimento em círculo ou ausência de movimento.



Chamou-me a atenção, há anos passados, quando vi uma foto de satélite da floresta amazônica, com uma extensa área sem mata, resultado de uma queimada. Imediatamente me lembrei da foto feita do brônquio sem os cílios. Eram de uma semelhança incrível. O micro e o macro. Uma coisa vista em microscopia eletrônica, outra por satélite. Árvores e cílios destruídos. Ambos protetores dos homens, micro e macroscopicamente. Ambas as áreas queimadas, deliberadamente, pelo homem.

Como se não bastasse, o ar que deveria entrar numa determinada temperatura, durante a inspiração normal, entra fortemente aquecido em cada tragada, alterando ainda mais o equilíbrio natural.





Zico

Um dos cinco melhores jogadores de futebol que eu já tive a oportunidade de assistir, em toda a minha vida, foi sem dúvida alguma, o Artur Antunes Coimbra, o Zico. Era um jogador completo, que organizava as jogadas, driblava bem demais, era exímio cobrador de faltas, cabeceava e quase sempre era o artilheiro das competições que participava. Dava gosto vê-lo jogar, mesmo sendo vascaíno.

A nosso pedido, para este trabalho de ajuda aos jovens, ele concedeu uma entrevista, ao jornalista Rodrigo Breves, sobre a importância da respiração:

“Acho que o mais significativo, é que, ao chegar-se a uma certa idade, é importante a pessoa saber tirar proveito da respiração. Você faz com que seja um fator fundamental, passa a não se cansar, nem se desgastar tanto e, conseqüentemente, passa a ter um rendimento melhor em suas atividades.

Eu tive uma experiência por problemas de desvio de septo nasal, quando dei uma cabeçada na época que estava começando minha carreira e isso dificultava bastante a minha respiração. Tive que fazer uma cirurgia e, logo após, melhorei acentuadamente em relação ao desgaste dentro de um treinamento ou de uma partida. Então, acho que existem situações e treinamentos para você fazer um trabalho de respiração para que o organismo se adapte melhor a qualquer tipo de atividade”.

“Lembro de vários destes exercícios, principalmente respiração na piscina. Quando estava fazendo um trabalho de recuperação de um problema muscular, costumava treinar bastante na água. Era chamado um professor de natação para realizar este trabalho de respiração e aprendi a nadar e respirar para os dois lados; antes só respirava para um lado. Às vezes, havia um trabalho de submersão, onde se ficava o maior tempo possível debaixo d’água para se ganhar uma maior capacidade de resistência. Isto era importante para quando a gente ia jogar, por exemplo, em locais de altitude. Não se tinha tempo para fazer uma adaptação adequada, então havia treinamentos dentro da piscina como atravessar por debaixo d’água, trabalhos de velocidade prendendo a respiração para que quando chegássemos lá, o sofrimento fosse bem diminuído”.

“Tudo isso foi fundamental para a minha carreira e para aumentar a minha vida útil como atleta. À medida que os anos passam você vai adquirindo mais experiência, fazendo os exercícios de maneira mais correta, entendendo melhor o significado. Fui aprendendo bastante e, com isso, acredito que, hoje em dia, tiro proveito deste poder de respiração”. Zico



Zico hoje vive num corre-corre danado, entre as atividades que tem no Brasil, com o Centro de Futebol do Zico (CFZ), e no Japão, onde é o técnico da seleção nacional de futebol.

Reuters, EFE






Wilson Alexandre na praia do Leblon, Rio de Janeiro, pioneiro do skimming no Brasil, único fabricante das pranchas nacionais de skimboard, aconselha os iniciantes deste esporte a não fumarem, devido à perda da capacidade respiratória necessária às manobras radicais.


*************************************************

HOMENS E MULHERES, ESTES FRÁGEIS ANIMAIS

A riqueza do potencial humano pode ser traduzida nesta frase: "A alma dorme na Pedra, sonha na Planta, move-se no Animal e, desperta no Homem". (Autor desconhecido)

O homem, apesar de toda a idéia contrária que possamos fazer, talvez seja o animal mais frágil que a natureza criou.

Não possui pelos suficientes que possam aquecê-lo num inverno mais rigoroso e, a sua pele é fina e sensível. Precisa de protetor solar nos dias de hoje, com toda essa falta de ozônio no mercado...

Tem um olfato que não lhe auxilia em quase nada para prevenir-se de um eventual perigo e, só percebe o alimento, se este estiver sendo frito na cozinha do vizinho.

Possui uma visão que, quando não precisa de óculos, mal consegue distinguir com facilidade um objeto um pouco mais distante. Durante a noite‚ é um cego total. Se o sol estiver muito forte, óculos escuros...

Sua audição é tão deficiente que, se o carro não buzina em cima, corre sério risco. Acima ou abaixo de determinada frequência sonora, poderíamos dizer que é praticamente surdo. Se a intensidade aumenta um pouco, chame-se o síndico, Tim Maia...

Ao nascer, se não lhe dão de comer, é incapaz de procurar alimento a não ser com alguns anos de idade. Morreria em poucos dias, se não tivesse a assistência quase de CTI de recém-nascidos, pelos que estão próximos.

Sem precisar mencionar que quando pequeno não anda, é um inválido total. Até para engatinhar leva um tempão.






Pesquisas recentes, sobre o genoma humano, dão conta de que somos, do ponto de vista do nosso código genético, não muito diferentes de camundongos. Por mais que possamos achar, que a Diana Bouth e uma ratazana não pudessem ter a mais leve semelhança em seus DNAs.

A mãe-natureza deu-lhe em troca duas coisas básicas: certas proteções naturais (entre elas, certamente, os pais) e a capacidade de pensar de uma forma mais elaborada, ter pensamento abstrato.





Esta capacidade de pensar, aparentemente, não é utilizada no momento em que decide-se pela iniciação no tabagismo ( Start ). Isso fica ainda mais evidente quando vemos as pessoas adiarem, até que uma doença grave se instale, o movimento para o abandono do fumo ( Quit ).

*************************************************
O CÃO, JUJUBA.




Diálogo:

- É, têm pensamento abstrato, são espertos, bébébébábábá, não é? Mas, vocês fumam... Você já viu algum cachorro fumando? É pra isso que serve ter pensamento abstrato?

- Pega leve, quatro patas, quem é que fica me secando todo dia, de manhã e de noite, para ir à rua. E, fazer lá o quê ? Ficar cheirando tudo que aparece. Cheira chão, pneu de carro, muro, poste e pinto dos outros cachorros. Cada espécie tem a sua droga.

- E você já presenciou a morte de algum cachorro por cheirar poste, mané? Overdose de cheiro de xixi, ô sarado? Você já viu algum espécime canino com câncer de nariz pela exposição às substâncias contidas no xixi do próximo? Se liga...

- Tô mais a fim de papo não...




- Valeu, Jujuba, velho de guerra ! Esses caras não com essa bola toda que estão pensando não...

- Abstrata está ficando é a Mata Atlântica...

- E, o tratado internacional contra a destruição da camada de ozônio que protege a Terra? Pergunta se o abstrato mental americano quis assinar.





- É, tu tens razão, velho Jú, os caras usam tabaco, mesmo sabendo que isso mata 1 em cada 2. E, ainda se acham espertos. Os caras são cheios de dúvidas que eles não conseguem responder: manteiga é melhor que margarina? Tem vida em outro planeta? É capitalismo ou socialismo? A globalização foi feita para ajudar ou ferrar os habitantes deste globo insano? Meu colega de escola é meu companheiro de viagem nesta nave louca ou alguém que tenho que descobrir um defeito, arrumar um apelido que ressalte aquele defeito e passar a sacanear ele direto?

- Jú, esses racionais pensam que são os reis da cocada preta, mas pergunta pra cem deles quem sabe usar o ponto e vírgula no lugar certo. Eu te garanto que só uns dois por cento vão saber.

-Velho Jú, nesta turma tá cheio de mané...Tem um cara legal, \'sei lá como veio parar aqui, chamado Woody Allen, que disse que os caras inventam estas neuras brabas, só para não terem que pensar: "de onde vim, o quê que eu tô fazendo aqui e pra onde vou depois?".

-Mas, velho Jú, os caras ainda precisam de tabaco para serem felizes... Vai esperar o quê?


Um grande número de pesquisas dá conta, de que os doentes mentais têm uma maior tendência à dependência em nicotina.




Vincent Van Gogh

Hoje em dia, após milhares de estudos sobre os males do fumo para a espécie humana e bastante divulgados para a espécie humana, sabe-se lá qual a maior atitude de loucura: fumar (começar a fumar ou continuar fumando) ou cortar a própria

************************************************

DEPOIMENTOS:

» Fumar causa cancer, eu descobri da pior forma - 10/03/2007
Tenho 31 anos e fumei desde os 18, estou com cancer maligno de glândula salivar menor, coisa rara para minha idade, segundo o Dr. Aprendi a parar de fumar e digo a todos é fácil, apenas devemos nos doutrinar que faz mal, pronto vc elimina isso de sua vida, mas tem que ter vontade ou um motivo como o meu, vc irá chegar até conseguir um motivo como o meu?
Luciano Melo

» tabaco - 06/03/2007
peço aqui a ajuda daqueles q se sentirem em condições de me ajudar. sou fumante de 40 cigarros ao dia tenho 51 anos e percebo q o cigarro é meu companheiro, embora eu tenha marido, filhos e netos. por favor me ajudem. obrigada. elizabeth

» Quero e vou parar - 01/03/2007
fumo desde 18 anos nunca tentei parar mas agora acho que ta na hora chega dessa droga me dominar
Maria B


» cigarro11/02/2007
Estou enviando e-mail, para questionar como é possível permitir que o uso do cigarro seja liberado dentro de um super mercado como o Nacional Teresópolis, que é um lugar fechado, o ar condicionado nos dias muito quentes não dá vencimento, e a catinga do cigarro é insuportável, as pessoas não respeitam, aqueles que não fumam, gostaria se possível que um fiscal da vigilância sanitária fosse fazer uma visitinha no final da tarde ali pelas 17h um pouco mais tarde, aos sábados nem se fala é o dia todo, mas neste dia sei que impossível fazer uma visitinha então sugiro o final da tarde mesmo. O super fica na Av. Teresópolis ao lado do Colégio São Luís e do Presidio Madre Pellitie. Como já tentei falar com vários orgãos sobre o assunto e não recebi resposta, estou enviando para que haja uma solução para o relatado acima. Espero que esta denuncia fique no anonimato, pois sou frequantadora assidua do super ereceio sofrer de represária. Agradeço pela atenção dispensada, fico no aguardo de uma solução. Obrigada.
null


» a favor de milhares de propragandas de incentivo - 26/01/2007
Sou funcionária pública atuo na área de saúde e tenho oportunidade de ver muitos casos de doenças onde o cigarro é o responsável, tenho um companheiro fumante e fico muito triste com isto, aparentemente ele é saudável talvez até mais que eu, mas prefiro ainda assim ficar muito longe do cigarro e espero que minha filha não se espelhe no pai nem na avó, estarei apoiando e divulgando qualquer propaganda contra o tabagismo.


» Ambientes fechados - 22/01/2007
Tenho lutado muito contra esta droga, nunca fumei, mas meu pai tem uma perna amputada devido esta droga. A minha luta é em fazer cumprir a Lei 9294, aqui em Maringa, bem como em Apucarana e Londrina, consegui com que a proibição fosse cumprida nos shoppings, agora começamos nas boates e bares, o MP do Trabalho também entrou nessa luta, como já havia acontecido com o MP do Meio Ambiente e da Defesa do Consumidor. Caso vc queira entrar nesta luta, então entre em contato comigo, te darei todas as orientações que se fizerem necessárias. Wilson Bespalhuk - Maringá-PR e-mail: wilsonbespa@gmail.com
Wilson


» Cinzeiro? - 18/01/2007
Nunca na minha vida eu fumei,mas saio do serviço todos os dias com cheiro de cigarros e com gosto na boca como se tivesse beijado um cinzeiro, será que isso pode afetar minha saude?
Marta


» Vicio forte - 13/01/2007
Como toda HISTÓRIA do fumo ela começa cedo, se nesta fase os jovens superam é difícil entrar neste vício que é forte.Comecei cedo aos 15anos e de lá pra cá foi aumentado, tento parar mas é como se fosse algo que desse apoio imaginário e sabemos todos que faz mal.Quem sabe algum dia eu pare, nem que seje no caixão.História romana:"Existia um rei,não sei o nome, que durante a noite fantasiava-se de mendigo para saber quem fumava e pedia para as pessoas cigarros. Após, voltava para o castelo e mandava os soldados prender os fumantes. Moral:Até hoje esta praga está e estará presente, é uma mina de dinheiro.O máximo que conseguirão,quem sabe é diminuir olhe lá, o consumo.
Antonio

» 7 anos de uma nova vida... - 10/01/2007
Tenho 43 anos, e fumava diariamente desde meus 17 anos (máx. 1 carteira dia), fumei até meus 37 anos, quando fiz minha 1ª tentativa de parar, mas sem sucesso. Em seguida, tive meu estômago perfurado por uma úlcera, provocada por stress + cigarro, a dor insuportável que senti e uma cirurgia de emergência que me salvou, ajudaram a tomar a decisão definitiva, NÃO FUMAR, mas não fumar mesmo...me preparei psicologicamente me posicionando como se fosse uma alcoolátra, "não posso dar a primeira tragada"..e foi o que fiz. Desde 2000, nunca mais fumei, nenhuma tragada, não tive crises de abstinência e me vigiei para não substituir o cigarro por comida ou doces, não ganhei peso, apenas 3 kg que reverti em pouco tempo. O cigarro torna corpo e personalidade dependentes, nossa vontade é fundamental. Se não puder sozinho, procure ajuda!
Laura Leal


» Agradecimento - 08/01/2007
Estou muito agradecida pela força que me foi dada. Confesso que não espera obter resposta ao meu depoimento! Fiquei feliz em saber que em minha cidade existe um lugar onde poderei buscar ajuda. Obrigada por enquanto, espero conseguir sucesso contra essa doença chamada tagismo.
Maria R.

» Resposta para depoimento de Maria R. - 08/01/2007
Sobre o depoimento de Maria R, logo abaixo, a Secretaria Estadual de Saúde (SES/RS) informa que o Programa de Controle de Tabagismo está capacitando profissionais da saúde de diversos municípios do Estado. O objetivo é realizar um tratamento adequado ao fumante que consiste em avaliar clínicamente, determinar o grau de dependência, promover encontros semanais em grupo e apoio com medicamentos, caso seja necessário. O atendimento aos fumantes é oferecido nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) do SUS. Atualmente são 177 unidades, sendo 41 em Porto Alegre e 136 em outros 85 municípios do Estado. Na Capital gaúcha é possível obter informações pelo telefone 156. Em outras cidades o atendimento pode ser feito nos postos próximos da residência do paciente. O site da SES/RS (www.saude.rs.gov.br) disponibiliza o nome das unidades que oferecem tratamento. O link de acesso direto à Seção de Controle Agravos Crônicos-degenerativos é http://www.saude.rs.gov.br/wsa/portal/index.jsp?menu=organograma&cod=1078. Mais informações podem ser obtidas pelo e-mail tabagismo@saude.rs.gov.br.
Assessoria de Comunicação Social/SES

» Ambiente Livre do Cigarro - 03/01/2007
Nunca fumei, e nem pretendo! Faço parte da equipe da Secretaria que trabalha na Campanha de Combate ao Tabagismo e quero dizer que estamos à disposição de todos que queiram nossa "ajudinha" para se livrar desse vício! Esperamos ser um "ombro amigo" nessa luta contra o cigarro. Podem nos encontrar no: tabagismo@saude.rs.gov.br ou (51)3288.5907.
Izabel


» Como é difícil... - 03/01/2007
Fumo há 31 anos, já tentei tratamento com medicação, adesivo, terapia, tudo que consegui foi ficar 07 dias sem fumar. Acho que deveria existir tratamentos financiados pelo Estado p/nos auxiliar. Sei que existe, mas particular eu não tenho condição de pagar. Acho que vale investir na saúde c/programas assim. A prevenção ainda é o melhor caminho.
Maria R.


» null - 01/01/2007
Um ex-fumante.Cheguei a fumar 60 cigarros ao dia, mas como eu já havia abandonado o álcool há 2 anos desde 19/06/1984 então resolvi fazer as mesmas 24 horas para o tabagismo.Logo venho à dizer que fazem 20 anos que abandonei o cigarro por interesse próprio.Não fumo mais só por hoje.Estou há 21 anos sem cigarro,para ter uma qualidade de vida melhor na velhice.
Raul Martins

» Minha história de fumante - 30/12/2006
Comecei a fumar com 13 anos, por espírito de "guri que queria se achar homem". Quando fiz 14 anos já era um fumante assumido, dependente do cigarro, embora meu consumo estivesse em torno de seis a oito cigarros por dia. Antes de completar quinze anos já fiz tentativas de parar de fumar mal sucedidas, e optei por continuar fumando. Dizia, para mim e para os outros, que fumar não fazia mal a ninguém... Eu era um refinado idiota. Continuei fumando, cada vez mais, até quase completar 45 anos. Ao final eu fumava diária e religiosamente 3 carteiras e meia de cigarros de 100 milímetros, ou seja, 70 cigarros por dia, o que significa que fumava 7 metros por dia... Se tivesse fumado sempre 7 metros por dia, durante os 31 anos em que fui fumante, teria fumado quase 100 quilômetros... Quando estava fumando 3,5 carteiras por dia, e depois de várias tentativas frustradas, me recomendaram o curso "Pare de fumar em 5 dias", na época ministrado na Igreja Adventista, hoje disseminado em igrejas, clubes, empresas, escolas e outros locais. Fiz o curso e parei no primeiro dia. Ainda que já conhecesse muita coisa do que foi mostrado no curso, o fato de não me sentir só na luta, mas constatar que tinha cerca de 50 companheiros fazendo o mesmo esforço que eu, me ajudou a enfrentar a luta ali iniciada. Na época não havia adesivos, nem remédios para ajudar a parar de fumar. Era só vontade e coragem. Em breve vou completar 27 anos sem fumar. A partir do momento em que parei senti aumentar minha capacidade física, passei a fazer exercícios ( desde então e até hoje caminho diariamente cerca de 5 quilômetros), e me sinto muito melhor. Descobri que subir escadas e chegar ofegante no andar de cima não era o normal, embora acontecesse comigo desde os 14 anos. Desde que parei de fumar, aos 44 anos, e até agora com mais de 70, subo escadas e chego no andar de cima sem cansar ou ofegar. Só descobri vantagens e benefícios. Assim como lamento ter fumado tanto e por tanto tempo, me sinto feliz quando posso ajudar outros a largar o vício. Tenho por certo que todo fumante quer deixar de fumar, apenas nem todos têm coragem de enfrentar as dificuldades que ocorrem quando se para. Agora vai uma confissão: efetivamente há dificuldades ao parar, mas são muito menores do que eu as imaginava. Já as vantagens/benefícios, são consideravelmente maiores do que eu esperava. Assim, companheiro, tome a decisão e enfrente. Você não vai se arrepender. Um abraço.
emilio

» O homem por trás desta fumaça - 30/12/2006
Eu não fumo há cinco dias e hoje eu tive a minha primeira crise de abstinência: chorei feito uma garotinha. Eu não tinha idéia do espaço que o cigarro ocupava na minha vida. Eu me julgava um fumante tranqüilo, daqueles cuja carteira dura três dias - exceto quando cai na farra, à noite. Achava que precisava de cigarro mesmo só quando escrevia ou ficava muito ansioso ou puto da vida. Nas outras vezes, fumava por opção. era o que eu pensava. Fumar um cigarro é um dos maiores prazeres que alguém pode experimentar durante a vida. Levar o cigarro à boca, acendê-lo e sugar toda aquela fumaça como se fosse a última fonte de energia que você vai encontrar no planeta: nada se compara a isso. Fumar como se não houvesse amanhã e como se o passado fosse embora nas curvas fugidias da fumaça. Fumar pela vida, pelo planeta Terra, pela Humanidade. Fumar em protesto, fumar com esperança, fumar pela Filosofia, a Sociologia e a Ufologia. Fumar pela reflexão no todo. Fumar como um relato do encontro do homem consigo mesmo - logo, com Deus. Fumar pelo fim das complicações rotineiras, pelo fim do medo do futuro e pelo fim de todos os outros medos. É por isso que se fuma. Ou, melhor dizendo, é por isso que se tem a ilusão que se fuma. Toda droga cria uma ilusão. Com o cigarro - esse daí, industrializado, legalizado e disponível em qualquer mercadinho de esquina - não é diferente. Ele é o melhor amigo do homem. Está sempre ali do lado, em todos os momentos, te ajudando a seguir em frente e a manter a cabeça no lugar. Por outro lado, ao mesmo tempo que faz isso, ele te mantém numa constante busca por alguma coisa dentro de ti mesmo. Deve ser isso que chamam de vício: buscar por si mesmo e nunca alcançar. O cigarro te impede de alcançar tudo aquilo que ele parece te dar, mas que não é verdadeiro. A paz de espírito e a calma que o tabaco dá são ilusórias, permanecem só até o próximo cigarro. Até mesmo porque se fossem permanentes e eternas logo na primeira tragada, não existiria a indústria e o comércio tabagista. Toda dependência é um bom negócio. Esperança ilusória também. Mas isso eu só digo assim, tão conciso e coeso, depois de chorar muito e sentir a perda desse meu grande amigo. Fica agora um espaço vazio que eu ainda não sei com o que preencher. Todo mundo me fala que quem pára de fumar troca o cigarro pela comida. Mas eu nunca fui dado aos prazeres do paladar - talvez justamente porque eu não sentia o gosto real das coisas. Quem sabe agora eu descubra um novo mundo tão bonito, inspirador, estimulante e viciante quanto o tabaco - o dos alimentos e guloseimas em geral. Poder ser uma boa idéia. Eu sempre quis engordar, mesmo.
Vitor Diel

» diga não ao tabagismo - 30/12/2006
passei muito tempo tentando parar de fumar, até que resolvi mudar completamenteminha vida. Fui a uma academia e comecei a malhar, mudei a alimentção, tomei uma medicação chamada ZIBANN,por um mês. Os primeiros meses foram bem dificeis, mas depois vc não suporta nem o cheiro. Foi a melhor coisa q fiz na minha vida, depois da minha filha é claro, que sempre reclamou que fumava junto comigo. O maior medo das mulhers é engordar, não tenha vai p/ uma academia q vc não engorda troque seus vicios.
xxxxxxx


» Ser feliz sem drogas - 27/12/2006
Tenho 42 anos, não gosto de fumo e álcool. Sou feliz assim e nunca me fez falta. É importante que tratemos do assunto com seriedade desde a infância pois meu pai fumava e ao deixar do cigarro por doença foi o grande incentivador para que os oito filhos não chegassem ao tabagismo.
Maria Inês Lima


» Muito bom ... - 22/12/2006
Muito interessante a iniciativa da Secretaria da Saúde. Se toda a sociedade se envolver nesta batalha contra o cigarro e seus malefícios, teremos um mundo melhor. A idéia deve ser seguida e saudada. Sou um ex-fumante e sei do que esse vício significa na vida. Ou seja, na saúde. Longe do cigarro, renasci. Miguel Giovani Vieira

» Parei de Fumar - 21/12/2006
Parei de fumar faz 3 meses e estou me sentindo uma nova pessoa !!!
Maria

************************************************